Cenário, desafios e perspectivas para as mulheres na área de Tecnologia: onde estamos e para onde vamos?

Camila de Lima Leal.
*Na foto: Camila de Lima Leal – Foto por Adom Vieira / divulgação / Mondoni Press

Mulheres são 51,5% da população brasileira, mas representam apenas 25% da força de trabalho na área de tecnologia, o menor número na América Latina

Apesar de as mulheres representarem 51,5% da população brasileira (IBGE 2022), este número ainda não reflete o setor e mercado de trabalho de Tecnologia. Segundo a pesquisa Woman in Technology, elas são apenas 25% da força de trabalho na área, sendo que o Brasil leva o menor percentual de mulheres na composição laboral entre os países da América Latina. Além disso, a maioria das mulheres também está fora dos cargos de liderança no geral: 60% das empresas no Brasil não possuem mulheres em cargos decisivos como esse. 

Sabendo da necessidade de transformação social, da relevância da autonomia das mulheres e da independência econômica, algumas empresas têm trabalhado para transformar esse cenário, seja a partir de programas de visibilidade, mentorias específicas, programas de liderança ou apoios educativos de formação. Ainda segundo o estudo, 51% das empresas têm tentado empregar mais mulheres por meio de processos de recrutamento sem preconceitos inconscientes, 40% busca garantir maiores oportunidades de promoção e 38% têm oferecido trabalho flexível para as mulheres, assim como um incentivo a trabalharem na área de Tecnologia. 

Carol Franco
*Na foto: Carol Franco – Foto por Adom Vieira / divulgação / Mondoni Press

Carol Franco, 38 anos, é a atual Diretora de Marketing e Comercial da RPE, empresa focada em soluções de meios de pagamento, e é um dos exemplos de mulheres que conquistaram cargos de liderança. Há seis meses, ela aceitou o convite para gerenciar a área de Marketing da empresa, mas em menos de um mês já foi promovida para o cargo que ocupa hoje. “Divido a diretoria da empresa com mais oito diretores, sendo que sete deles são homens e uma é mulher. Meu time tem seis pessoas: quatro delas são homens e também trabalhamos com algumas agências e fornecedores. Esse é um desafio que se torna ainda mais difícil devido ao mercado que atendemos, de tecnologia e varejo, que é majoritariamente masculino”, diz. 

Dentre os desafios que Carol consegue elencar por estar dentro deste mercado, de modo geral, está a necessidade de ser ouvida e respeitada. “Existe aquela desconfiança e insegurança que precisamos enfrentar diversas vezes em ambientes dominados por homens. É necessário estar sempre lutando por um espaço e defendendo ideias e opiniões. Por conta disso, mais do que reclamar ou me vitimizar, adotei a postura de buscar conhecimento e dividir bem o espaço com os homens, sempre deixando minha opinião e ações bem evidentes”, conta. 

Segundo ela, o que a destacou foi a habilidade em fazer gestão de projetos, gestão de pessoas e resolver problemas de forma rápida e estratégica. Ela diz que a oportunidade de ser promovida em tão pouco tempo trouxe mais conforto e segurança, pois ser reconhecida é um grande estímulo profissional e pessoal. 

Para a especialista, um dos segredos para construir uma carreira sólida na área de Tecnologia é acreditar no próprio potencial e seguir em frente. “Não desista, escreva sua própria história, deixe um legado e não tenha medo do novo e desconhecido. Seja um exemplo no que faz de melhor, estude e fale sempre mais alto, quando necessário, para ser ouvida com respeito. Sinto que, nos últimos anos, o mercado vem abrindo mais espaço para nós, principalmente nos cargos de liderança. Mais do que conhecimento técnico, nós, mulheres, podemos agregar muito valor em cargos de gestão e estratégicos”, aponta.

Nessa linha de pensamento também vai Camila de Lima Leal, 32 anos, que atua como Diretora de Customer Success na RPE. Para se destacar, ela apostou em uma jornada interna, pela qual se fortaleceu primeiro por dentro. “Por muitos anos, tive a sensação de que eu precisava me arrumar de forma mais masculina, mais discreta e que não podia chamar atenção ou não ser tão calorosa como eu gostaria, como sou naturalmente, e falar de forma mais parecida com um homem. Mas, notei que quando eu me desapeguei de parecer algo, me tornei uma pessoa que trazia muito mais respeito. Então, o processo foi muito menos sobre como eu conseguiria mudar o mundo à minha volta e mais sobre eu me enxergar pertencente a ele, não importando o que o outro falasse ou achasse. Quando tive essa clareza mental de que eu confiava na minha capacidade técnica, emocional, gerencial e estratégica, percebi que, na verdade, a minha maior vilã era eu mesma. Então, não precisei ser um homem para aparecer e ser aceita. Precisei apenas estar confortável na minha própria pele, na minha posição”, comenta. 

De acordo com Camila, no mercado de Tecnologia “estão pessoas de uma geração que está mais para frente, então de certa forma são mais tolerantes, mais compreensivas. Sinto que é uma área muito mais avançada para entrar, muito mais aberta, de pensamentos frescos e opiniões novas”. Com ela, concorda Priscilla Arruda, 37, CEO da Base, uma empresa parceira da RPE, dizendo que “o ambiente dentro de uma empresa de Tecnologia é mais leve, pois as pessoas normalmente possuem mente mais flexível. E aqui na empresa, especialmente, as mulheres possuem espaço de igual para igual e isso é muito satisfatório”.

Priscilla Arruda.
*Na foto: Priscilla Arruda – Foto por Adom Vieira / divulgação / Mondoni Press

Priscilla conta que sempre trabalhou em segmentos de público majoritariamente masculino, como fábricas e os setores de telecomunicações, energia e tecnologia. “Durante a minha carreira, principalmente no início, quando eu ainda não ocupava cargo de liderança, era muito difícil ser levada a sério. Eu precisava me impor de forma que homens nunca precisavam. Tinha que ter um esforço maior para mostrar valor e aí, sim, ser respeitada. E quando você ainda não ocupa uma posição de liderança, fica muito difícil ter esse espaço”. 

Ela conta que uma situação marcante foi quando trabalhava com consultoria de hunting e o supervisor direcionou um cliente para outro colega de trabalho que era homem alegando que, por conta de o cliente ser engenheiro, ele preferia lidar com homens, que são mais práticos e racionais. “Eu era nova na época, estava começando minha carreira e não tinha noção da gravidade daquilo, então apenas aceitei”.

Um estudo da Aliança Mundial de Informação sobre Tecnologia e Serviços de (WITSA) revelou que a maior participação das mulheres na indústria de tecnologia representaria um aumento anual de 9 trilhões de euros no PIB global. Ainda, de acordo com o relatório Woman in Technology, existe um reconhecimento geral por parte das empresas de que devem ser feitos esforços para a criação e permanência de programas de talentos femininos, tanto de atração quanto de retenção, pois a representação de gênero de forma equitativa garante diversidade de percepções, capacidades e habilidades. Dessa forma, homens e mulheres podem contribuir com o máximo potencial para criar soluções inovadoras e melhorar processos. O relatório também conclui que, ao levar em consideração que a tecnologia é parte fundamental da sociedade, é importante que as mulheres tenham tanto peso quanto os homens na evolução, manutenção e criação dela. 

“Lugar de mulher é onde ela quiser, então trabalhe a autoconfiança. Procure sempre entender e estudar o mercado em que você atua, seja ele o de tecnologia ou não. Lembre-se de que não existe nada que diferencie a capacidade feminina da masculina e que tudo é uma questão de oportunidade, então saiba abraçar as suas”, finaliza Priscilla. 


Leia também
Web Summit Rio: Brasil e Angola apresentam avanços de parceria tecnológica
Web Summit Rio: Brasil e Angola apresentam avanços de parceria tecnológica

Serpro e Ministério das Finanças da República de Angola firmaram acordo para aprimoramento tecnológico em novembro de 2023. Primeiros resultados […]

Arena Senac RJ terá executivos de big techs no segundo dia de Web Summit Rio
Arena Senac RJ terá executivos de big techs no segundo dia de Web Summit Rio

No primeiro dia do evento, abertura institucional ressaltou a importância do evento para consolidar o Rio de Janeiro como um […]

Para Huawei, demanda pelo 5G é alta e operadoras já percebem retorno financeiro da rede
Para Huawei, demanda pelo 5G é alta e operadoras já percebem retorno financeiro da rede

A monetização do 5G, atualmente, é um dos desafios para ampliar a cobertura no país. O setor segue à espera de uma […]

Com investimentos bilionários no país, uso de IA para análise de Big Data revoluciona o mercado financeiro
Com investimentos bilionários no país, uso de IA para análise de Big Data revoluciona o mercado financeiro

Empresas do setor têm se destacado ao oferecer soluções inovadoras para aprimorar a experiência do cliente O uso de Inteligência […]

Com investimento de R$15 mi, AWS e Escola da Nuvem esperam capacitar mais de 5 mil pessoas em computação em nuvem até 2025
Com investimento de R$15 mi, AWS e Escola da Nuvem esperam capacitar mais de 5 mil pessoas em computação em nuvem até 2025

A Amazon Web Services (AWS) anunciou que investirá R$15 milhões no Brasil para ampliar a oferta de profissionais qualificados em […]