Startup

Harvard Angels do Brasil, Poli Angels e investidores individuais realizam aporte para clube de assinaturas de flores

Com crescimento cinco vezes maior que o ano anterior, Flower Club visa expandir o negócio para grandes metrópoles em nível nacional e entregar 30 mil buquês em 2022

A Harvard Angels do Brasil, Poli Angels e investidores individuais realizaram um aporte na Flower Club, clube de assinaturas de flores. A startup oferece planos com opções para receber buquês mensais, semanais ou quinzenais. A equipe prepara arranjos com flores e folhagens da estação fornecidos por cooperativas e pequenos produtores e selecionados por floristas. Com o crescimento cinco vezes maior que o ano anterior, a Flower Club, que atua apenas na Grande São Paulo, quer expandir o negócio para grandes metrópoles em nível nacional e entregar 30 mil buquês em 2022. Além da expansão, com o aporte, a startup investirá em tecnologia, gestão de pessoas e desenvolvimento da cadeia de fornecimento. 

Continua após o anúncio

O número de assinantes da Flower Club cresceu 500% em 2021 e, atualmente, a companhia realiza a entrega de aproximadamente 1,5 mil buquês mensais. Os valores dos pacotes mensais variam de R$ 99 (entregas a cada 30 dias), R$ 180 (quinzenal) e R$ 320 (semanal). 

Segundo o cofundador e diretor executivo da startup, Victor Campos, a empresa tem como principal objetivo democratizar o hábito de conviver com flores e plantas. "Queremos tornar o consumo acessível, conveniente e responsável. Fazer com que as flores façam parte do cotidiano das pessoas. A ideia é que os assinantes possam conhecer novos tipos e espécies e ter acesso a outras combinações", explica. 

Dados do Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor) informam que o mercado de flores e plantas do país fatura mais de R$ 10 bilhões ao ano e emprega mais de 200 mil pessoas. Mesmo com os obstáculos causados pela pandemia, o setor alcançou a marca de crescimento, passando de R$ 9,6 bilhões de faturamento no final de 2020 a R$ 10,9 bilhões em 2021. 

Segundo Campos, a principal justificativa para esse aumento de consumo foi o confinamento e a realização de entrega a domicílio. "As pessoas precisaram transformar o ambiente em que residem. Muitos se reinventaram para trabalhar remotamente e utilizaram flores e plantas para montar um local mais leve e agradável. Também realizamos entregas duas vezes por semana. Pensando sempre em oferecer praticidade e agilidade para o cliente", avalia. 

Originalidade e curadoria não faltam. Em datas especiais, é hora de trazer uma recomendação diferenciada. "Não seguimos apenas a moda do período. Sugerimos opções que não são facilmente encontradas e investimos na qualidade, variedade, garantindo frescor e design", completa. 

*Imagem: Divulgação/Flower Club 

 


Leia também
Conselheira de startup que forneceu robô bombeiro para a Petrobras mostra caminhos para captar investimentos

Conselheira de startup que forneceu robô bombeiro para a Petrobras mostra caminhos para captar investimentos

Apesar dos olhares atentos de investidores estrangeiros no Brasil, não é só com o dinheiro de fora do país que as...

Startup: 3 dicas para inovar com menos recursos

Startup: 3 dicas para inovar com menos recursos

O aprimoramento de ferramentas e processos é capaz de gerar inovação no ambiente corporativo, permitindo que os executivos...

Startup paulista lança 1º sistema de segurança cibernética 100% on-line e na nuvem do Brasil

Startup paulista lança 1º sistema de segurança cibernética 100% on-line e na nuvem do Brasil

Ameaças cibernéticas não são coisas de filmes de ação. Na vida real, diariamente, milhares de empresas...

Buser anuncia serviço de localização de ônibus em tempo real

Buser anuncia serviço de localização de ônibus em tempo real

A startup Buser, maior plataforma de intermediação de viagens rodoviárias do Brasil, está inovando novamente ao...

Ver mais

Nenhum comentário no momento

Deixe um comentário