Seis erros mais comuns em cibersegurança que podem prejudicar as empresas

cibersegurança
Imagem: Freepik

A constante evolução da tecnologia e a crescente interconexão de dispositivos estão remodelando nosso mundo em um ecossistema digital altamente interligado. Nesse contexto de revolução digital, as empresas se deparam com uma encruzilhada crucial em que a segurança cibernética se manifesta como uma necessidade imperativa. Dada a presença de informações sensíveis em jogo e a confiança dos clientes é vital reconhecer que a proteção de dados e sistemas vai além de simples precauções; ela se transforma em uma garantia essencial para a sobrevivência no cenário empresarial atual.

No último ano, o Brasil se destacou como o segundo país mais visado por ciberataques globais, conforme revelado por um estudo conduzido pela Fortinet. O país ficou apenas atrás do México, registrando um impressionante total de 103,16 bilhões de tentativas de ciberataques, representando um aumento de 16% em comparação ao período anterior. Em meio a essa crescente necessidade de segurança cibernética, a Akamai Technologies, empresa de nuvem que potencializa e protege a vida online, detalhou os principais erros cometidos no mundo corporativo em relação à cibersegurança.

1.Falta de conscientização interna

Muitas empresas subestimam a importância da conscientização interna em cibersegurança. É fundamental não apenas investir em tecnologia de segurança, mas também educar e sensibilizar os colaboradores sobre as ameaças cibernéticas em constante evolução. Suas ações desempenham um papel crítico como uma linha de defesa adicional.

“A cibersegurança não é apenas uma questão de sistemas e firewalls; é uma questão de pessoas. A conscientização interna é a primeira linha de defesa, e investir nela é tão vital quanto proteger nossos sistemas. As organizações devem proporcionar treinamentos e lembretes constantes das melhores práticas de cibersegurança para os colaboradores” aponta o especialista Helder Ferrão, Gerente de Marketing de Indústrias para a América Latina da Akamai Technologies. 

2.Senhas fracas e reutilização

O tópico das senhas fracas e sua reutilização é de extrema importância em cibersegurança. Senhas sólidas e exclusivas desempenham um papel fundamental como a primeira barreira de proteção contra invasões cibernéticas. Ignorar a importância desse aspecto pode ter consequências graves, incluindo violações de dados que comprometem não apenas a segurança da empresa, mas também a confiança de seus clientes. 

“Portanto, é crucial que as organizações invistam na implementação de processos de dupla autenticação (MFA), incentivem a criação de senhas robustas e promovam a prática de não utilizá-las em várias contas, contribuindo assim para uma postura mais segura em relação à cibersegurança. Também, é essencial que a troca de senhas periodicamente seja uma medida inegociável”, aconselha Helder.

3.Falta de atualizações de software

A falta de atualizações de software é um risco sério para a segurança cibernética. Ignorar essas atualizações é como deixar uma porta aberta para cibercriminosos explorarem vulnerabilidades conhecidas. Muitas vezes, as atualizações são especificamente projetadas para corrigir falhas de segurança, e a negligência nesse aspecto deixa sistemas e aplicativos suscetíveis a ataques que poderiam ter sido prevenidos. Logo, manter o software atualizado é uma prática fundamental para garantir a robustez da segurança digital e proteger os dados da empresa e dos clientes, de acordo com Ferrão.

4.Permissões excessivas

A concessão de permissões excessivas representa um grande risco à segurança de dados. Quando indivíduos têm acesso a mais informações ou funcionalidades do que precisam para realizar suas atividades, aumenta as chances de vazamentos de dados acidentais ou intencionais, o que pode causar grandes prejuízos às organizações. 

Como consequência é essencial realizar revisões regulares e restringir as permissões de acordo com a necessidade de cada usuário. Dessa forma, garante-se que apenas pessoas autorizadas tenham acesso a informações sensíveis, fortalecendo significativamente as defesas cibernéticas da empresa e reduzindo o potencial de incidentes de segurança.

Helder também reforça que “conceder permissões excessivas é como deixar as portas da empresa abertas a todos. Cada acesso não essencial é uma potencial brecha na segurança, aumentando o risco de vazamentos de dados ou abuso de informações, muitas vezes de forma que ninguém perceba.” 

Em vista disso, a gestão criteriosa das permissões, ajustando-as de acordo com as necessidades individuais, é a chave para manter a segurança cibernética robusta. Isso garante que apenas os autorizados possam acessar informações sensíveis, construindo uma barreira mais sólida contra ameaças cibernéticas e minimizando o potencial de incidentes de segurança.”

5.Deficiência em monitoramento e detecção

A deficiência em monitoramento e detecção de ameaças cibernéticas em tempo real é um erro crítico na estratégia de segurança de uma empresa. Ignorar esse investimento pode deixar a organização vulnerável a ataques não detectados por longos períodos, resultando em danos substanciais. 

A detecção precoce desempenha um papel vital na redução do impacto de possíveis ataques, permitindo uma resposta ágil e eficaz para conter ameaças antes que causem estragos significativos. Helder pontua que  “priorizar soluções de monitoramento e detecção é uma medida essencial para proteger ativos críticos e a reputação da empresa no ambiente digital cada vez mais perigoso”.

6.Falta de plano de resposta a incidentes

A ausência de um plano de resposta a incidentes documentados é um erro crítico. Quando uma violação de segurança ocorre, a falta de um plano estruturado pode levar a confusões e prejuízos substanciais. Um plano sólido ajuda a coordenar ações e mitigar danos.”A cibersegurança é uma responsabilidade compartilhada que requer constante vigilância e ação pró-ativa. Evitar esses erros comuns é um passo crucial para proteger não apenas os dados da empresa, mas também a confiança de seus clientes.”, ressalta Helder. 

À medida que a tecnologia continua a evoluir e as ameaças cibernéticas se tornam cada vez mais sofisticadas, as organizações devem se adaptar e fortalecer suas estratégias de segurança cibernética, direcionando todos seus esforços e os investimentos adequados, bem como adotar as melhores soluções dos parceiros mais adequados para as suas necessidades. 

A cibersegurança é uma jornada contínua, não um destino final. Ao reconhecer esses erros e tomar medidas para corrigi-los, as empresas podem aprimorar significativamente sua postura de segurança cibernética e, assim, proteger seus ativos mais valiosos: informações e reputação. A segurança cibernética é a chave para a sobrevivência no ambiente empresarial atual e a base para um futuro digital mais seguro.

As organizações são entidades vivas que se modificam constantemente, seja em seus produtos e serviços, modelos de negócio, colaboradores, tecnologias e, principalmente, como utilizam de transformação digital para ganhar eficiência, reduzir custos e ganhar novos mercados. Este ciclo de mudanças demanda a revisão constante de suas políticas e soluções de segurança.

“Para evitar ciberataques, as empresas devem aprender com os erros mais frequentes ocorridos com outras organizações do mercado, como subestimar ameaças cibernéticas, negligenciar atualizações de segurança e não fornecer treinamento adequado aos funcionários. A postura de segurança eficaz requer a adoção de medidas como a implementação de políticas de segurança sólidas, a segmentação de redes, a criptografia de dados sensíveis, a monitorização constante de atividades suspeitas e a prontidão para incidentes, garantindo que a segurança cibernética seja uma prioridade estratégica em todos os níveis da organização”, finaliza Ferrão.

*Fonte: Akamai Technologies


Leia também
Especialistas apontam que infraestrutura crítica também pode ser alvo de ataques cibernéticos no Brasil
Especialistas apontam que infraestrutura crítica também pode ser alvo de ataques cibernéticos no Brasil

Palo Alto Networks destaca que ataques à infraestrutura crítica podem causar a suspensão de serviços essenciais, como assistência médica, energia […]

VPN para jogos on-line: muito além da cibersegurança
VPN para jogos on-line: muito além da cibersegurança

Os jogos on-line não são mais apenas um passatempo, tornaram-se parte integral da cultura contemporânea, conectando milhões de jogadores em […]

Gartner revela 8 previsões de cibersegurança para 2024
Gartner revela 8 previsões de cibersegurança para 2024

O Gartner anuncia oito das principais previsões de cibersegurança para 2024 e os próximos anos. Entre as principais previsões, a […]

Cibersegurança: Check Point Software anuncia nova colaboração com a Microsoft
Cibersegurança: Check Point Software anuncia nova colaboração com a Microsoft

Anúncio demonstra o uso das soluções Check Point Infinity AI Copilot com o Microsoft Azure OpenAI Service para definir novos […]

O papel do CISO para transformar a cibersegurança em uma alavanca de reputação para as empresas
O papel do CISO para transformar a cibersegurança em uma alavanca de reputação para as empresas

Atualmente, não há dúvidas de que a tecnologia permeia todos os aspectos de nossas vidas, incluindo o mundo dos negócios. […]