Cibersegurança para e-commerces: por que é preciso proteger seu site de ataques?

Cibersegurança para e-commerces
Imagem:

Compreender a necessidade de segurança para e-commerces é o primeiro passo para garantir que o seu negócio ficará fora do radar dos hackers. Dado que e-commerces são comércios virtuais, em que toda a operação acontece de forma on-line, a proteção de todos os dados e das transações ali presentes são essenciais para o bom funcionamento.

O universo on-line é vasto e tem crescido exponencialmente a cada dia. À medida que as ameaças cibernéticas se tornam cada vez mais agressivas, as empresas precisam tomar atitudes ainda mais assertivas para fortalecerem suas medidas de segurança, daí a importância da conscientização sobre o tema.

Para manter a segurança da operação, é necessário atentar-se a algumas questões, como o registro do domínio do site – primeiro ponto a ser verificado. O domínio nada mais é que o endereço pelo qual o seu e-commerce será encontrado. Por meio dele, hackers que desejam fazer um sequestro de domínio conseguem tirar lojas do ar ou alterar dados.

O segundo ponto é rever periodicamente as pessoas que possuem acesso ao e-commerce e a todas as informações contidas na plataforma. É sempre importante reconsiderar quem são elas e se há a necessidade de continuarem com esse acesso, já que as informações são preciosas.

Por fim, outro ponto-chave é a hospedagem. Se você tem um site, os arquivos hospedados ficam disponíveis na internet. É dessa forma que os visitantes podem navegar e fazer suas compras. Por isso, no e-commerce, proteger todas as informações envolvidas é de extrema importância. Estamos falando de dados como CPF, endereço, cartões etc. Em caso de vazamentos, podem gerar grandes transtornos.

Por conta disso, determinações como a Lei Geral da Proteção de Dados Pessoais (LGPD) são criadas. Ao contrário do que algumas pessoas podem pensar, a internet não é uma terra sem leis. No caso da LGDP, seu principal objetivo é proteger os direitos de privacidade dos usuários, tratando seus dados da melhor forma possível, inibindo a ação inadequada de terceiros.

Ter um e-commerce sem segurança é como ter um comércio de rua sem portas. Nesse sentido, contar com soluções modernas e seguras é o que separa negócios que sofrerão ou não ataques cibernéticos e, consequentemente, diferentes tipos de danos.

Quanto mais a internet avança, maiores devem ser os cuidados para que a vida on-line não represente perigos, seja para o empreendedor, seja para os clientes, que confiam seus dados aos serviços de uma empresa. 

 

Por Daniel Markuson, especialista em privacidade digital da NordVPN 

*Imagem: Pexels


Leia também
Mercado financeiro: protegendo ativos na era digital
Mercado financeiro: protegendo ativos na era digital

O mercado financeiro é reconhecidamente um dos que mais investe em inovações para digitalizar suas operações e os serviços oferecidos […]

Dia Internacional da Internet Segura: 6 dicas para se proteger online
Dia Internacional da Internet Segura: 6 dicas para se proteger online

Hoje, dia 6 de fevereiro, celebramos o Dia Internacional da Internet Segura, uma iniciativa da Redes INSAFE-INHOPE e da Comissão […]

Cuidados cibernéticos no carnaval: como se proteger dos golpes virtuais durante a folia
Cuidados cibernéticos no carnaval: como se proteger dos golpes virtuais durante a folia

Durante o carnaval, período conhecido por festas e descontração, os brasileiros ficam mais suscetíveis a ciberataques, conforme indicado por uma […]

3 estratégias para fortalecer a segurança da cadeia de suprimento de software
3 estratégias para fortalecer a segurança da cadeia de suprimento de software

Em meio ao aumento das ameaças cibernéticas, analistas preveem um aumento triplo nos ataques à cadeia de suprimento até 2025, afetando quase […]

Ambiente digital seguro: IA e demanda por profissionais qualificados vão liderar tendências da cibersegurança em 2024, aponta especialista
Ambiente digital seguro: IA e demanda por profissionais qualificados vão liderar tendências da cibersegurança em 2024, aponta especialista

Se medidos como um país, os crimes cibernéticos representariam a terceira maior economia do planeta, totalizando R$ 43 trilhões de […]