Trabalho X inteligência artificial e a automação: sua carreira está em risco?

Trabalho X inteligência artificial e a automação
Imagem: bankkgraph / Getty Images / Canva

A automação e o uso da inteligência artificial está cada vez mais difundida e pode impactar até 300 milhões de empregos no mundo nos próximos anos, é o que indica a projeção da Goldman Sachs. O relatório, divulgado em abril deste ano, mostra também que 18% do trabalho realizado em todo o mundo poderá ser informatizado, com maior impacto em economias avançadas e em trabalhos intelectuais como os administrativos e de advocacia.

Para o consultor de carreira da ESIC Internacional, Alexandre Weiler, a inteligência artificial já vem mostrando que veio para ficar e para mudar radicalmente a maneira como vemos o trabalho hoje. “A grande pergunta que fica no ar é: como os profissionais de hoje irão se manter essenciais dentro das corporações e em seus escopos de trabalho? Se antes a gente achava que a automação iria apenas substituir trabalhos repetitivos, hoje, com o ChatGPT, vemos que vários trabalhos antes ligados à produção intelectual e de criação também foram brutalmente impactados”, conta.

Ainda segundo a pesquisa da Goldman Sachs, a perda de empregos nos moldes de hoje é inevitável, porém, historicamente, isso não é novidade, já que inúmeras vezes a humanidade foi impactada pelos avanços tecnológicos que, a longo prazo, criaram oportunidades e crescimento de empregos. “Podemos projetar uma mudança nos locais de trabalho e na forma de trabalhar, mas a verdade é que a AI tem forte potencial de aumentar a produtividade no ambiente de trabalho, uma vez que cria novas oportunidades e, na maior parte das situações pode ser vista mais como uma auxiliar do que uma substituta direta. Neste contexto, os profissionais que souberem fazer uso da tecnologia terão mais tempo para se dedicar a tarefas estratégicas e que envolvam inovação e/ou resolução de problemas inusitados”, conta o consultor.

O profissional do futuro

Um estudo da McKinsey sobre automação do trabalho, apontou que até 2030 cerca de 6 em cada 10 ocupações atuais poderão ser automatizadas, causando transformação significativa nos postos de trabalho. Porém, o mesmo estudo indica que cerca de 9% da força de trabalho terá novas ocupações. “O mercado de trabalho vem mostrando a necessidade de termos mão de obra especializada em programação e desenvolvimento, porém quando olhamos para o consumo de bens e serviços notamos a necessidade das pessoas em ter trocas humanas e que envolvam a emoção. Não à toa a busca por profissionais de marketing, psicologia e vendas, os chamados ‘front office’ também é cada vez maior”, conta Weiler. 

Consultor de carreira da ESIC Internacional, Alexandre Weiler
Divulgação / Alexandre Weiler / Créd. foto: Gustavo Basso

 

Além disso, estudos indicam que no futuro deve haver uma separação mais clara entre trabalho de máquina e trabalho de pessoas, o que tornará o processo de produção mais complexo, porém mais coerente, onde os humanos poderão dedicar tempo a melhorar as experiências, os relacionamentos, a geração de emoções e a fidelização de clientes, pontos que não podem ser substitutos por uma máquina. “É possível que no futuro as máquinas estejam 100% focadas em oferecer agilidade às tarefas do nosso dia a dia, otimizando tempo, facilitando processos, melhorando a gestão, coletando dados e fornecendo indicadores que ajudam nas tomadas de decisões. O ponto forte está na possibilidade da união da eficiência e do dinamismo da automação com as skills de pensamento cognitivo e senso crítico dos humanos. Existe a oportunidade real de criar uma harmonia maior na forma de produzir e trabalhar. Resta a pergunta: iremos aproveitar estas oportunidades?”, finaliza o consultor. 

 


Leia também
E-commerce na América Latina: Como os varejistas podem explorar todo o potencial?
E-commerce na América Latina: Como os varejistas podem explorar todo o potencial?

Não podemos negar que a América Latina é um dos mercados mais promissores para o segmento de e-commerce. Para se […]

Economia e eficiência são principais ganhos quando empresas buscam a IA generativa para melhorar a experiência do cliente
Economia e eficiência são principais ganhos quando empresas buscam a IA generativa para melhorar a experiência do cliente

Tecnologia tem sido capaz de poupar valores significativos e melhorar a eficiência para o setor varejista Atualmente, a eficiência e […]

Estratégias não Omnichannel ameaçam crescimento de negócios e relevância no mercado
Estratégias não Omnichannel ameaçam crescimento de negócios e relevância no mercado

No atual cenário de comércio global, os consumidores desempenham o papel central na elaboração de estratégias de vendas das empresas. […]

Avanços do mercado solar e perspectivas para 2024
Avanços do mercado solar e perspectivas para 2024

O papel do armazenamento de energia na transição para fontes renováveis O mercado de armazenamento de energia desempenha um papel […]

Santander Universidades oferece 75 mil bolsas de programação pelo Santander Bootcamp 2024
Santander Universidades oferece 75 mil bolsas de programação pelo Santander Bootcamp 2024

O Santander Universidades está com as inscrições abertas para o Santander Bootcamp 2024. Em sua quarta edição, o programa 100% […]