Cibersegurança é pilar para a construção de cidades inteligentes

Cidades Inteligentes
Imagem:

Cidades hiperconectadas, com aplicações, sistemas e automações presentes do gerenciamento do trânsito às estratégias de atendimento nos hospitais. Mais do que uma tendência para o futuro, essa já é uma realidade que começa a ganhar formas no mundo real. Em todo o planeta, hoje, já existem inúmeros exemplos de Smart Cities, as cidades inteligentes, com programas comprometidos em combinar diferentes tipos de tecnologias e conceitos para agilizar a gestão pública e melhorar a qualidade de vida dos cidadãos.

Nesse cenário, três Ds são essenciais: o do Digital, dos Dados e do Design centrado no usuário ou cidadão. À medida que os planos envolvendo esses três aspectos avançam, porém, torna-se necessário também lembramos de outro item vital para o progresso da transformação digital do ambiente público: o uso consciente e seguro.

É neste ponto que a cibersegurança assume precisa assumir um papel cada vez mais central para o desenvolvimento das iniciativas de modernização das administrações governamentais, em todas as instâncias. Não como um projeto isolado, mas sim como uma agenda propositiva e contínua. Segundo o Gartner, até 2024, 60% dos investimentos governamentais em Inteligência Artificial e análise de dados visarão impactar diretamente as decisões e resultados operacionais em tempo real. Nada mais importante, portanto, que os registros estejam protegidos.

Afinal de contas, é sempre importante ressaltar que, ao mesmo tempo em que as soluções digitais se transformam, também é igualmente verdade que os canais digitais têm cada vez mais alvos de diversos ataques que podem comprometer a segurança das informações e, consequentemente, afetar aspectos como a performance dos serviços nas cidades e à privacidade da população. Vale destacar que pesquisas de diferentes órgãos indicam que o setor governamental é um dos segmentos que mais recebem tentativas de ataques virtuais entre todas as esferas e verticais. Quanto mais a Internet fizer parte da operação do governo, mais importante será a capacidade dos times de tecnologia e gestão conseguirem formas de otimizar a segurança dos conteúdos. 

Para acompanhar essa tendência, as cidades inteligentes devem ser construídas, desde o início de seus projetos, com um pensamento estratégico que busque tirar todo o proveito da hiper conectividade e, ao mesmo tempo, reforçar a proteção aos registros e ativos que compõem a máquina pública. Esse conceito, conhecido como Secure by Design, é vital para permitir a criação de camadas de segurança cibernética verdadeiramente preparadas e dimensionadas para proteger a colaboração entre pessoas, sistemas e tecnologias. Estima-se que a indústria de cidades inteligentes deverá movimentar mais de US$ 241 bilhões em 2025, segundo números da Statista. É notório que boa parte desse investimento se dará em função do uso intensivo de tecnologias avançadas, como Internet das Coisas (IoT), Big Data, Cloud Computing e realidade virtual (VR). Paralelo a essas tecnologias, no entanto, à segurança digital também precisa ser prioridade.

Para cidades que buscam se tornar mais inteligentes, indo do cruzamento de dados envolvendo iluminação pública às avaliações de segurança pública ou educação, é aconselhável que seus líderes de TI atuem também para entender como seus fornecedores estão protegendo as soluções oferecidas. E, evidentemente, para oferecer tecnologia que ajude os usuários (servidores e terceiros) nessa batalha para mitigar toda e qualquer vulnerabilidade das redes.

Essa abordagem de pensar a cibersegurança como um princípio dos projetos pode ajudar as organizações públicas e privadas envolvidas nos processos de uma Smart City a aprenderem mais sobre o que realmente importa para melhorar a qualidade de vida de seus habitantes, além de descobrir como tornar seus investimentos em tecnologia mais sustentáveis, inovadores e competitivos.

A expansão das cidades inteligentes é fundamental para que o Brasil desbloqueie seu potencial tecnológico e lidere o mundo em inovação contemporânea. O projeto de lei 976/21, que norteia as bases das smart cities no País, é uma boa notícia e mostra que já existe um incentivo para estimular o desenvolvimento desse movimento em âmbito nacional, com caminhos para que possamos aproveitar o potencial das tecnologias mais recentes e, dessa forma, gerenciar o espaço urbano de forma mais eficiente.

A infraestrutura hiperconectada pode apoiar a gestão da cidade e fortalecer o acesso à informação e às soluções tecnológicas nos ambientes urbanos para os cidadãos. Por esse motivo, é importante que estejam em linha com os princípios de utilização segura da Internet. A segurança digital é uma área que merece atenção especial por parte das organizações públicas e privadas em todos os países, em todas as cidades. Nada melhor, então, do que aproveitar o tempo de eleições para também trazer este debate à tona.

Felizmente, assim como novas tecnologias estão surgindo, a indústria de cibersegurança também tem evoluído, trazendo inovações para ajudar a maximizar a proteção das pessoas e cidades inteligentes. Resta apenas estimular que mais cidades avancem nessa jornada, entendendo que a segurança também é uma das chaves da transformação digital. 

Por Cleber Ribas, CEO da Blockbit 

*Imagem: rawpixel.com no Freepik


Leia também
Huawei diz que mineração remota será implantada na América Latina
Huawei diz que mineração remota será implantada na América Latina

Soluções inovadoras de mineração remota 5G para equipamentos não tripulados, uma realidade na China e em vários países da Ásia, […]

GitHub anuncia disponibilidade geral do Copilot Enterprise
GitHub anuncia disponibilidade geral do Copilot Enterprise

O GitHub anunciou a disponibilidade geral do Copilot Enterprise. A ferramenta de Inteligência Artificial (IA) pode ser personalizada de acordo […]

2024 – O ano da automação
2024 – O ano da automação

Estamos imersos em uma era de convergência digital, na qual a automação se consolida como o pilar central de nossa […]

Traduções incorretas fazem com que 40% dos brasileiros desistam de comprar de empresas estrangeiras online
Traduções incorretas fazem com que 40% dos brasileiros desistam de comprar de empresas estrangeiras online

Com cerca de 300 milhões de compradores on-line, a América Latina está rapidamente se tornando uma das regiões mais promissoras […]

Dynatrace anuncia inovações em observabilidade com foco em Inteligência Artificial e análise de dados
Dynatrace anuncia inovações em observabilidade com foco em Inteligência Artificial e análise de dados

A Dynatrace anuncia uma série de inovações e expansões em sua plataforma, incluindo recursos de observabilidade de Inteligência Artificial (AI […]